Este site usa cookies e tecnologias afins que nos ajudam a oferecer uma melhor experiência. Ao clicar no botão "Aceitar" ou continuar sua navegação você concorda com o uso de cookies.

Aceitar

Renda Fixa

Letras Financeiras (LF): o que são e como funciona

Lorenzo Frazzon, CNPI
Escrito por Lorenzo Frazzon, CNPI em 15 de abril de 2021
Junte-se a mais de 1.000 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Neste artigo conheceremos as LF, Letras Financeiras, um ativo de Renda Fixa emitido por bancos e outras instituições financeiras.

São destinadas a investidores com um pouco mais de experiência e que lidam bem com risco de crédito e liquidez. Isso porque não são resgatáveis no prazo mínimo de dois anos e sem garantia do Fundo Garantidor de Crédito.

Justamente por causa disso, apresentam rentabilidade maior do a média dos ativos de Renda Fixa.

Veremos neste artigo: o que são títulos de Renda Fixa, como funcionam as LF, quais as vantagens e desvantagens e como investir.

Título de Renda Fixa

Os títulos de Renda Fixa são aqueles em que as regras de rentabilidade são pré-determinadas. Dessa forma é possível saber quanto será o rendimento na compra do ativo.

É importante entender que mesmo que as regras de rentabilidade estejam determinadas, isso não significa que o valor exato do ganho será pré-determinado. Existem alguns títulos que Renda Fixa que possuem a rentabilidade indexada a índices como a Selic ou inflação.

As LF são Títulos de Renda Fixa, de modo que suas regras de rentabilidade são pré-determinadas.

Como funcionam as Letras Financeiras

As Letras Financeiras foram criadas em 2010 como um recurso das instituições financeiras para captar recursos de longo prazo. Dessa forma teriam a tranquilidade para emprestar aos tomadores de emprétimos sem correr o risco de encurtamento imediata de liquidez.

Dessa forma, as Letras Financeiras têm um tempo mínimo de investimento de 2 anos. Dificilmente o investidor que adquire esse ativo resgatará o dinheiro antes do prazo, tendo em vista o reduzido mercado secundário.

Além disse as Letras Financeiras não são garantidas pelo Fundo Garantidor de Crédito (FGC). O Fundo Garantidor de Crédito é um Fundo que agrega recursos das instituições financeiras para cobrir inadimplências.

 Portanto, por causa do risco de crédito e do risco de liquidez, as Letras Financeiras apresentam rentabilidade maior que outros ativos de Renda Fixa como, por exemplo, CDB, LCI ou LCA.

São ideias para os investidores que procuram investimentos altos de longo prazo, aceitam bem os riscos inerentes e querem uma rentabilidade maior.

Rentabilidade das Letras Financeiras

Com outros títulos de Renda Fixa, as Letras Financeiras apresentam títulos que podem Pré-fixados ou Pós-fixados.

Os títulos Pré-fixados são aqueles em que o investidor sabe exatamento quanto será a rentabilidade na data de vencimento. Pode ser 7%, 10% ou 20%. É um valor fixo.

Já os títulos Pós-fixados são aqueles em que a regra é determinada na hora da compra do títulos, mas a rentabilidade depende de uma variável. Por exemplos: 5% + CDI ou 4% + IPCA.

Investimento Mínimo

Vale lembrar ainda que para investir em Letras Financeiras é necessário fazer um investimento mínimo que costuma ser mais alto se comparado a outros ativos de Renda Fixa.

No caso dos títulos sênior o investimento mínimo é de R$ 150 mil, já no caso do título subordinado, o investimento mínimo é de R$ 300 mil.

A diferença entre os dois títulos reside na garantia caso haja falência da instituição financeira. As Letras Financeiras Subordinadas só são pagas depois que todas as Sênior forem pagas. Dessa forma, o risco delas é maior, assim como a rentabilidade e o investimento mínimo.

Tributação das LF

A alíquota de imposto de renda padrão das Letras Financeiras é de 15% sobre o rendimento. Entretando, para aquelas LF que realizam pagamentos semestrais, a alíquota irá variar de acordo com o tempo transcorrido entre o investimento e o recebimento.

  • 22,5% até 180 dias corridos;
  • 20,0% entre 181 e 360 dias corridos
  • 17,5% entre 361 e 720 dias corridos;
  • 15,0% após 720 dias corridos.

Dessa forma, os primeiros resgates de juros terão uma alíquota maior, já os últimos, depois de dois anos, serão tributados em 15%.

Emissores de Letras Financeiras

As Letras Financeiras são emitidas por Bancos, Financeiras, Caixas Econômicas, Companhias Hipotecárias, Sociedades de Crédito Imobiliário e o BNDES.

Vantagens e Desvantagens de Investir nas LF

A principal vantagem de investir nas Letras Financeiras reside na maior rentabilidade. É um excelente ativo também para fazer diversificação dos investimentos.

Além disse as Letras Financieras são fáceis de encontrar e de fazer aplciação e como são ativos de Renda Fixa é possível fazer uma projeção de retorno confiável.

Entre as desvantavens temos o alto investimento mínimo, a impossibilidade de resgate antes dos dois anos e a não cobertura pelo Fundo Garantidor de Crédito. Entretanto, todas essas desvantagens podem ser superados por meio do planejamento financeiro e da pesquisa de instituições sólidas.

Como Investir em Letras Financeiras

Para investir nas LF basta procurar seu banco ou qualquer outro banco de investimento, Caixa Econômica, Companhia Hipotecária, Sociedade de Crédito Imobiliário ou o próprio BNDES.

Alguma dessas instituições terão títulos disponíveis para compra. Mas atente-se ao fato de que para investir nesse ativo é preciso ter planejamento financeiro. O dinheiro investidor não deve ser demandado pela família por, no mínimo, dois anos.

Além disso, é importante fazer simulações. Às vezes podem existir outros títulos de Renda Fixa com maior liquidez e com rentabilidade quase semelhantes às Letras Financeiras. Se esse for o caso, o título mais líquido tem vantagem.

Conclusão

As Letras Financeiras surgiram em 2010 com o objetivo de ajudar os bancos a captarem recursos com maior certeza de liquidez para fazerem seus empréstimos. Dessa forma, são investimento com tempo de aplicação mínimo de 2 anos e sem cobertura do Fundo Garantidor de Crédito.

Por causa disso, apresentam rentabilidade maior e são indicados por investidores que querem diversificar os investimentos de longo prazo e procuram maior rentabilidade.

Além disso os investidores devem fazer aplicações mínimos mais elevadas, entre R$ 150 mil e R$ 300 mil. O Imposto de Renda incidente é de 15% sobre os rendimentos e pode-se escolher entre títulos Pré-fixados e Pós-Fixados — normalmente vinculados ao CDI.

Olá amigo investidor!

O que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *