Este site usa cookies e tecnologias afins que nos ajudam a oferecer uma melhor experiência. Ao clicar no botão "Aceitar" ou continuar sua navegação você concorda com o uso de cookies.

Aceitar

Renda Fixa

Depósito a Prazo com Garantia Especial (DPGE) - O que é e como investir?

Lorenzo Frazzon, CNPI
Escrito por Lorenzo Frazzon, CNPI em 28 de maio de 2021
Junte-se a mais de 1.000 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

O Depósito a Prazo com Garantia Especial, ou DPGE, foi criado em 2009. Esse ativo foi uma solução do Conselho Monetário Nacional para ajudar os pequenos e médios bancos a captarem recursos.

O DPGE é um Depósito a Prazo como o CDB (Certificado de Depósito Bancário), mas tem como característica única a maior cobertura dos investimentos, ultrapassando os R$ 250 mil padrão do Fundo Garantidor de Crédito.

Veremos neste artigo como funcionam os DPGE e para quem esse ativo é recomendado.

Título de Renda Fixa

Os títulos de Renda Fixa são aqueles em que as regras de rentabilidade são pré-determinadas. Dessa forma é possível saber quanto será o rendimento na compra do ativo.

É importante entender que mesmo que as regras de rentabilidade estejam determinadas, isso não significa que o valor exato do ganho será pré-determinado. Existem alguns títulos que Renda Fixa que possuem a rentabilidade indexada a índices como a Selic ou inflação.

O DPGE é um Título e Renda Fixa, de modo que suas regras de rentabilidade são pré-determinadas.

DPGE: como funciona

Antes de 2009, quando pequenas e médios bancos emitiam títulos para absorverem recursos, enfrentavam um sério problema. O fato é que os investidores não queriam os títulos desses bancos, porque tinham receio do risco de falência.

Com o Fundo Garantidor de Crédito só cobre R$ 250 mil por CPF ou CNPJ, investidores maiores são investiam em bancos grandes, apostando na sua solidez.

Para resolver esse problema, o Conselho Monetário Nacional, CMN, instituiu um novo ativo que têm uma cobertura especial: o Depósito a Prazo com Garantia Especial, DPGE.

O DPGE tem garantia de até R$ 20 milhões por CPF ou CNPJ. Assim é possível que grandes investidores busquem bancos pequenos e médios, afinal estão assegurados com a garantia especial.

Diferenças DPGE x CDB

Já vimos que a cobertura do DPGE é de R$ 20 milhões por CPF ou CNPJ. A cobertura do CDB é o padrão para todos os títulos cobertos pelo Fundo Garantidor de Crédito, R$ 250 mil por CPF ou CNPJ.

Além dessa diferença há no DPGE um maior risco de liquidez do que no CDB. Isso acontece porque não existe a possibilidade de resgate antecipado no caso do DPGE. Ou seja, o investidor que aplica o dinheiro nesse título só pode ter de volta o principal acrescido de juros no vencimento.

No caso dos CDB, é possível fazer o resgate antecipado.

Assim, apesar do DPGE ter um risco menor de crédito porque é garantidor de forma mais ampla, apresenta um risco mais elevado de liquidez, porque o dinheiro ficará ‘preso’ por mais tempo.

Rentabilidade DPGE e Emissores

Existem dois tipos de Títulos DPGE, os Pré-Fixados e os Pós-Fixados.

Nos Pré-Fixados quando o investidor adquire o título, ele sabe exatamente quanto ganhará na data de vencimento.

Por exemplo: compra-se um DPGE hoje por R$ 1.000,00 e sabe-se que daqui dois anos, no vencimento, haverá o recebimento de R$ 1.210,00, ou seja, uma taxa de 10% ao ano.

Já no caso dos Pós-Fixados, existe uma regra de formação de rentabilidade que dependerá de variáveis econômicas. O retorno do DPGE pode depender do valor da Selicou da Inflação, por exemplo.

Alguns exemplos de rentabilidade Pós-Fixada seria:

  • 115% da Selic;
  • CDI + 15% Pré-Fixado;
  • IPCA + 10% Pré-Fixado.

Podem emitir o DPGE os Bancos, as Financeiras e as Caixas Econômicas.

Tributação DPGE

A Tributação dos Depósitos a Prazo com Garantia Especial obedece uma tabela regressiva. Segue a tabela:

  • 22,5% até 180 dias corridos;
  • 20,0% entre 181 e 360 dias corridos
  • 17,5% entre 361 e 720 dias corridos;
  • 15,0% após 720 dias corridos.

Vantagens e Desvantagens do DPGE

Entre as vantagens do DPGE podemos reconhecer facilmente sua cobertura especial de R$ 20 milhões por CPF ou CNPJ. Dessa forma, há a diminuição acentuada do risco de crédito.

Além disso o DPGE é um ativo de Renda Fixa fácil de encontrar e investir, basta entrar em contato com as instituições emissores, fazer um cadastro e adquirir o título. Por fim, as projeções financeiras são claras.

Entre as desvantagens a maior delas é a incapacidade do investidor de resgatar o dinheiro aplicado antes do vencimento. Assim esse título apresenta um elevado risco de liquidez.

Dessa forma, o investidor deve estar atento às possibilidades do mercado. Se houver um título com risco semelhante e rentabilidade no mesmo patamar, mas com uma liquidez maior, ele será preferível.

Público-alvo do DPGE

O DPGE é recomendável para investidores conservadores que querem diversificar seus ativos num investimento de longo prazo. Eles poderão escolher entre Pré ou Pós-fixados e não terão a preocupação com a falência da instituição emissora em até R$ 20 milhões.

Conclusão

O DPGE é um depósito a prazo como é o caso do CDB. A única diferença entre os dois títulos de Renda Fixa está na garantia e na liquidez.

O DPGE tem uma Garantia especial de R$ 20 milhões em compração com a garantia padrão do Fundo Garantidor de Crédito de R$ 250 mil por CPF ou CNPJ.

Por outro lado, o Depósito a Prazo com Garantia Especial não pode ser resgatador quando o investidor desejar. O investidor terá o dinheiro acrescido de juros de volta somente no vencimento do título. Assim tem maior risco de liquidez.

Por causa dessa diferenças, o DPGE é recomendado para o investidor conservador que quer diversificar a carteira com ativos de longo prazo tendo consciência de que não precisará do dinheiro até o vencimento do título.

Olá amigo investidor!

O que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *