Este site usa cookies e tecnologias afins que nos ajudam a oferecer uma melhor experiência. Ao clicar no botão "Aceitar" ou continuar sua navegação você concorda com o uso de cookies.

Aceitar

Renda Fixa

CRA: o que são e porque investir?

Lorenzo Frazzon, CNPI
Escrito por Lorenzo Frazzon, CNPI em 28 de maio de 2021
Junte-se a mais de 1.000 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

O CRA (Certificado de Recebíveis do Agronegócio) é um Título de Renda Fixa, sem Garantia do FGC e emitido por Instituição Privada.

É uma boa opção para investimentos de longo prazo e tem rentabilidade maior do que as Letras de Crédito.

Veremos neste artigo o são os CRA, quais suas características, a quem eles são recomendados e como investir nesse ativo.

Título de Renda Fixa

Os títulos de Renda Fixa são aqueles em que as regras de rentabilidade são pré-determinadas. Dessa forma é possível saber quanto será o rendimento na compra do ativo.

É importante entender que mesmo que as regras de rentabilidade estejam determinadas, isso não significa que o valor exato do ganho será pré-determinado. Existem alguns títulos que Renda Fixa que possuem a rentabilidade indexada a índices como a Selic ou inflação.

O CRA é um Título e Renda Fixa, de modo que suas regras de rentabilidade são pré-determinadas.

Rentabilidade do CRA

Existem dois tipos de Títulos CRA, os Pré-Fixados e os Pós-Fixados.

Nos Pré-Fixados quando o investidor adquire o título, ele sabe exatamente quanto ganhará na data de vencimento. Por exemplo: compra-se um CRA hoje por R$ 1.000,00 e sabe-se que daqui dois anos, no vencimento, haverá o recebimento de R$ 1.210,00, ou seja, uma taxa de 10% ao ano.

Já no caso dos Pós-Fixados, existe uma regra de formação de rentabilidade que dependerá de variáveis econômicas. O retorno do CRA pode depender do valor do CDI (Certificado de Depósito Interbancário) ou da Inflação, por exemplo.

Alguns exemplos de rentabilidade Pós-Fixada seria:

  • 115% do CDI;
  • CDI + 15% Pré-Fixado;
  • IPCA + 10% Pré-Fixado.

Fundo Garantidor de Crédito

O Fundo Garantidor de Crédito é um Fundo que agrega recursos das instituições financeiras para cobrir inadimplências.

Como o CRA não é emitido por bancos, portanto ele não é coberto pelo fundo. Dessa forma, ele tem um risco mais elevado do que as Letras de Crédito, por exemplo, o que confere a esse ativo uma rentabilidade mais elevada.

Securitização

O CRA é emitido por empresas securitizadoras. Essas empresas são especializadas em converter dívidas com credores em dívidas com investidores. Serve para antecipar receitas, de modo a viabilizar projeto, aqui, no caso, projetos agrícolas.

Querendo expandir a produção agrícola, o produtor rural faz um financiamento para conseguir comprar máquinas. O banco, então, vende esses direitos de receber as parcelas do produtor rural à empresa de securitização. Essa emprega, então, transforma esse empréstimo do produtor rural em CRA e vende aos investidores.

O investidor, então, tem uma relação não com o banco, mas com a securitizadora. Da forma forma acontece com o produtor rural, que faz mensalmente seus pagamentos ao banco, mas esse dinheiro é imediatamente transferido à empresa de securitização.

Riscos do CRA

Como o CRA não é emitido por bancos e portanto não é coberto pelo Fundo Garantidor de crédito, existe nele inerente um risco de crédito. Isso significa que os rendimentos dependem da adimplência dos clientes dos credores do CRA.

Apesar disso esses títulos têm garantias que cobrem de duas a três vezes o valor total das dívidas — pode ser o maquinário ou a safra — e o legislação brasileira exige que as pessoas físicas sejam as primeiras a serem pagas. Isso é, os investidores.

Entre as garantias podem estar:

  • Alienação fiduciária de terras agrícolas;
  • Cessão fiduciária de direitos creditórios;
  • Penhor agrícola da produção;
  • Fiança;
  • Aval.

Outro risco inerente das CRA é o risco de liquidez. Depois de comprado o título a venda para outro investidor é difícil. Dessa forma esse ativo é recomendado para quem não precisará do dinheiro até a data de vencimento do título.

Uma forma de diminuir bastante os riscos é observar o rating do título. O rating é uma nota que é data por uma agência especializada. Essa nota visa elucidor os investidores em relação ao risco que aquele título representa. Dessa forma, um título AAA tem um risco menor que um BBB, por exemplo. 

Como Investir no CRA

O CRA não costuma ser o primeiro ativo de investidores iniciantes, isso porque ele apresenta algumas barreiras à entrada. Uma delas é o investimento mínimo entre R$ 1.000,00 e R$ 5.000,00. Algumas vezes, porém, existem títulos que exigem um investimento mínimo de R$ 1 milhão.

Esse ativo é recomendado para investidores que buscam uma opção de longo prazo para diversificarem as carteiras de investimento. Além disso é recomendado que tenham esgotado a cobertura das Letras com bom rendimento que são garantidas pelo FGC e que não sejam iniciantes no mercado financeiro.

Cumpridos os requisitos de aplicação, para investir é preciso ter uma conta num banco ou numa corretora de valores mobiliários.  A partir daí é só escolher o título desejado. Ele pode ser escolhido de uma empresa securitizadora que está emitindo ou de um investdor no mercado secundário.

Tributação CRA

Uma das principais vantagens do CRA é que ele é isento de Imposto de Renda (IR) para Pessoas Físicas.

Além disso a Pessoa Física goza da isenção de taxas administrativas e do Imposto sobre Operações Financeiras (IOF)

 Dessa forma, não será descontado nada da rentabilidade recebida da Pessoa Física.

Já a Pessoa Jurídica segue a seguinte tabela de tributação do Imposto de Renda (IR):

  • 22,5% até 180 dias corridos;
  • 20,0% entre 181 e 360 dias corridos
  • 17,5% entre 361 e 720 dias corridos;
  • 15,0% após 720 dias corridos.

Conclusão

Para o investidor que já passou pelas primeiras experiências no mercado financeiro e quer incorporar um ativo de longo prazo na carteira de investimentos, o CRA é uma boa opção, sobretudo por causa da rentabilidade mais alta do que os outros títulos de Renda Fixa.

Outra vantagem do ativo é a isenção de Imposto de Renda e IOF para Pessoas Físicas. Além disso, apesar do risco de não ser coberto pelo FGC, existem muitas garantias no caso de inadimplência como alienação fiduciádia, cessão fiduciável e a fiança.

Caso o investidor ainda não tenha uma olhada nesse ativo, recomendamos que faça isso. Pode ser uma opção a mais para aumentar os ganhos.

Olá amigo investidor!

O que você achou deste conteúdo? Conte nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *